domingo, 25 de julho de 2010

O Problema da Tripartição do poder político.

A falta de cooperação entre os poderes já é uma velha conhecida nossa; não há auxílio mutuo entre o Executivo, Legislativo e o judiciário, mesmo sendo interdependentes. Situação esta que piora quando nos deparamos com o cenário interno de cada um deles, governo e oposição não trabalham juntos para o benefício do povo, e o que deveria ser um avanço histórico, o pluripartidarismo atrapalha as soluções para tantos dos nossos problemas.

Sustentado pela doutrina liberal a tripartição dos poderes foi um meio de se obter um pouco de igualdade após duros anos absolutistas, sem duvida, uma evolução importante obtida pelo Iluminismo. Mas e quando essas instituições formadoras do estado esquecem-se de defender os interesses do todo e entram em uma guerra particular por domínio, em defesa de seus interesses? O Legislativo não aprova as decisões do executivo, o judiciário de mãos atadas em face de poderosos protegidos pelos outros dois e por mais que boas leis sejam aprovadas, não são postas em prática pelos governantes, há um colapso e os cidadãos pagam muito caro por isso.

Em 1988, surge a nova constituição. Promulgando a legislação eleitoral que permite a existência de múltiplas agremiações políticas em nosso país. Entrando assim na dança política entre governo e oposição, com suas alianças e discursos antagônicos. Mas, ao serem eleitos, por mais que sejam de partidos opostos e ideologias conflitantes, nossos representantes devem unir-se em prol de seu principal interesse: o bem comum. Por mais bela que seja a teoria, não funciona na prática. Estados diminuem a verba para municípios representados pela oposição, em jargão popular “É um tentando puxar o tapete do outro” e quem perde é a população, o único sujeito que é sempre derrotado nessa disputa.

Na mais grave crise enfrentada pele governo Lula, a descoberta do Esquema de compra de votos parlamentares (Mensalão) em 2005, que já existia em outros mandatos presidenciais, mostra o quão frágil se torna o estado quando não há um consenso, quando o interesse pelo povo não é compartilhado pelas forças comandantes. Esse esquema negociava os votos para aprovação de medidas do governo no Senado, que eram aprovadas mediante ao pagamento de grandes somas em dinheiro. A maior prova de que a falta de cooperação do sistema facilita a corrupção.

Não é difícil perceber que no meio disso tudo o que impera são os grandes golpes nos cofres públicos, o roubo explicito à riqueza da nação. Somos prejudicados pelo interesse dos poderosos, por sua falta de preocupação com o bem-estar nacional que ocasiona essa disputa insensata e os mais diversos problemas que enfrentamos diariamente.

6 comentários:

  1. texto claro e direto...e agora Camila?

    ResponderExcluir
  2. genial!

    sua habilidade com a escrita me instiga !

    esmiuçar conteudos polemicos é o passo principal para o futuro pensamento!

    texto bem trabalhado quanto a tripartição dos poderes, mas qual a nova proposta?

    ResponderExcluir
  3. Acredito que a solução está distante. O poder absoluto é ruim na comcepção da maioria, e a tripartição gera corrupção... Fiz o texto esperando uma solução nos comentários... Então... alguém tem alguma solução?

    ResponderExcluir
  4. De fáto,esse é um problema que atinge e muito os cidadãos brasileiros. Imagino os beneficios quando os 3 poderes pararem com as brigas internas e se concentrarem em melhorar o brasil.
    Ótimo post,parabéns. ^^

    ResponderExcluir
  5. Acho que a conscientização da população é importante para o bom andamento do atual sistema político.

    O voto distrital poderia aproximar a relação eleitor-parlamentar e contribuir para melhorar o bem comum.

    ResponderExcluir
  6. Ótimo post, a tripartição foi mais um dos golpes. Bem, nada mais a dizer, parabéns.

    ResponderExcluir